“O Evangelho da Vida: anunciar, celebrar e servir”

“E a palavra se fez vida e veio morar entre nós” (Jo 1,14)

FESTA_PADROEIRA_DOMVICENTE-89-SmallPrezados irmãos e irmãs da Igreja de Deus que se faz presente na Diocese de Jundiaí:

Para a Igreja do Brasil, a primeira semana do mês de outubro é momento de celebrar e refletir sobre o dom e o valor da vida. Em 2005, durante a 43ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), realizada nos dias 9 a 17 de agosto, foi instituída a Semana Nacional da Vida, culminando com o Dia do Nascituro, no dia 8 de outubro. Pois a Igreja, fiel ao Evangelho de Jesus Cristo, tem a missão de defender, valorizar e promover a vida em todos os instantes de sua existência, desde a concepção até a morte natural.

Neste ano a Semana Nacional da Vida tem como tema: “O Evangelho da Vida: anunciar, celebrar e servir”, tema este retirado de uma frase que aparece duas vezes na Carta Encíclica “Evangelium Vitae” (O Evangelho da Vida), sobre o valor e a inviolabilidade da vida humana, de São João Paulo II (cf. nn. 28d e 92c). Publicada em meio a intensos debates sobre a expansão da implementação permissiva ao aborto em vários países e outros atentados graves contra a vida, esta Carta Encíclica completa este ano vinte anos de seu lançamento. Ainda hoje, as palavras de São João Paulo II continuam muito atuais e pertinentes para a Igreja que quer continuar anunciando com coragem e espírito profético o Evangelho de Jesus Cristo.

Infelizmente, nossa sociedade continua marcada por uma mentalidade utilitarista e individualista, que não submete os poderes econômicos e tecnológicos a critérios éticos. Assim, cresce a mentalidade que considera legítimo descartar vidas humanas, quando são percebidas como peso ou inúteis. Nesta lógica nefasta, vidas consideradas fracas e vulneráveis, vidas indefesas e desprotegidas, são eliminadas pelos mais fortes.

Queridas irmãs e irmãos diocesanos: sabemos que a prática de Jesus foi bem diferente. Ele, “a Palavra da Vida” (1Jo 1,1) “se fez carne e veio morar entre nós” (Jo 1,14). O seu Reino é de vida e de vida em abundância para todos (cf. Jo 10,10). Portanto, anunciar o Evangelho da Vida é anunciar a própria pessoa de Jesus Cristo, pois Ele apresenta-se com estas palavras: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida” (Jo14,6). Quem se torna seu discípulo missionário deve acreditar na vida como um dom de inestimável valor, fruto do amor gratuito e infinito do Deus da Vida. Isto sublinha a importância do compromisso cristão de lutar pela vida como também pela dignidade e pela integridade da pessoa humana.

É preciso “anunciar, celebrar e servir o Evangelho da Vida”, como já afirmava São João Paulo II na referida Carta Encíclica: “a vida humana, dom precioso de Deus, é sagrada e inviolável”; longe de ser eliminada, ela deve “ser protegida com toda a atenção e carinho; a vida encontra o seu sentido no amor recebido e dado, em cujo horizonte haurem em plena verdade a sexualidade e a procriação humana; nesse amor, até mesmo o sofrimento e a morte têm um sentido, podendo tornar-se acontecimentos de salvação, não obstante perdurar o mistério que os envolve; o respeito pela vida exige que a ciência e a técnica estejam sempre orientadas para o homem e para o seu desenvolvimento integral; a sociedade inteira deve respeitar, defender e promover a dignidade de toda a pessoa humana, em cada momento e condição da sua vida” (n. 81b). E mais recentemente, o Papa Francisco, na sua Carta Encíclica “Laudato Si’” (Louvado sejas), sobre o cuidado da casa comum, afirma que “a Bíblia ensina que cada ser humano é criado por amor, feito à imagem e semelhança de Deus (cf. Gn 1,26). Esta afirmação mostra-nos a imensa dignidade de cada pessoa humana, que ‘não é somente alguma coisa, mas alguém. É capaz de se conhecer, de se possuir e de livremente se dar e entrar em comunhão com outras pessoas’… Como é maravilhosa a certeza de que a vida de cada pessoa não se perde num caos desesperador, num mundo regido pelo puro acaso ou por ciclos que se repetem sem sentido! O Criador pode dizer a cada um de nós: ‘Antes de te haver formado no ventre materno, eu já te conhecia’ (Jr 1,5). Fomos concebidos no coração de Deus e, por isso, ‘cada um de nós é o fruto de um pensamento de Deus. Cada um de nós é querido, cada um de nós é amado, cada um é necessário’” (n. 65).

Por fim, é importante lembrar que a Semana Nacional da Vida termina com o Dia do Nascituro, celebrado no dia 8 de outubro. Nascituro quer dizer o que está para nascer, é o que todos fomos um dia, no útero de nossa mãe, onde teve início nossa existência. Foi escolhido o dia 8 de outubro, por ser próximo ao dia em que se celebra a Padroeira do Brasil (12 de outubro), venerada com o título: “Nossa Senhora da Conceição Aparecida”, Maria, Nossa Mãe, em cujo seio virginal foi concebido Jesus, o Evangelho da Vida. Diante da atual banalização da vida e de opiniões favoráveis ao aborto, é importante lembrar que a Igreja defende com firmeza a vida do nascituro, como bem afirmou, uma vez mais, São João Paulo II na já citada Carta Encíclica: “o aborto direto, isto é, querido como fim ou como meio, constitui sempre uma desordem moral grave, enquanto morte deliberada de um ser humano inocente. Tal doutrina está fundada sobre a lei natural e sobre a Palavra de Deus escrita, é transmitida pela Tradição da Igreja e ensinada pelo Magistério ordinário e universal” (n. 62c).

Queridas irmãs e irmãos diocesanos: que a Semana Nacional da Vida e o Dia do Nascituro sejam oportunidades providenciais e agraciadas que nos ajudem a compreender e admirar, proteger e defender a beleza da vida, sua grandeza e dignidade, seu incomparável valor. E, sabendo que a defesa fundamental da dignidade humana começa na família, tornemos nossas famílias verdadeiros “santuários da vida”, onde a vida humana é transmitida e educada em valores autenticamente humanos e cristãos. Neste sentido, saibamos valorizar e apoiar todos aqueles que lutam pela construção e pela defesa da cultura da vida, bem como aqueles que se empenham em ajudar nossas famílias a viver sua vocação e sua missão a favor da vida.

E a todos abençoo.

Dom Vicente Costa

Fonte: dj.org.br