Padre Paulo Eduardo é acolhido no Conselho Presbiteral

pe-e-dvc

O padre Paulo Eduardo Ferreira de Souza tendo sido  nomeado Instrutor Judicial da Diocese de Jundiaí, no dia 7 de outubro de 2015, foi acolhido na manhã desta terça-feira, 3 de novembro, como membro do conselho presbiteral. Ele acumula a função de pároco da Paróquia São Judas Tadeu, na cidade de Itu.

Dom Vicente Costa, Bispo Diocesano, assinou e entregou a provisão ao presbítero durante reunião do Conselho Presbiteral, nas dependências da Cúria Diocesana.

Instrutor Judicial é o novo nome que damos à figura que até agora, de maneira inadvertida, era chamada de “Vigário Judicial”. A intenção é se adequar à legislação canônica. De fato, enquanto dependente do Tribunal Interdiocesano de Sorocaba, nossa Diocese não pode ter um próprio Vigário Judicial. Essa função, de fato, sempre foi exercida pelo Presidente do Tribunal Eclesiástico, Pe. Dr. João Carlos Orsi.

Padre Paulo Eduardo explica que, “em Jundiaí, aquilo que antes era atribuição do impropriamente chamado Vigário Judicial` passa a ser de competência do Instrutor, que é o coordenador dos Auditores das Câmaras Eclesiásticas de Jundiaí e Itu, que são uma espécie de extensão do Tribunal Interdiocesano”.

“O trabalho das Câmaras é, basicamente, a instrução dos processos, isto é, o recolhimento das provas, sobretudo testemunhais (depoimentos). Oficialmente, são conhecidas como Seções de Instrução.  Dessa forma, enquanto a Diocese não tiver seu próprio Tribunal, em vez de `Vigário Judicial`, teremos, como referência para as Câmaras Eclesiásticas, um Auditor-Coordenador (Instrutor)”, completa o presbítero.

Fonte: dj.org.br