Dom Vicente abre Porta Santa da Misericórdia em Jundiaí

PORTA_SANTA_CAM01-0175-SmallO Ano Santo da Misericórdia começou oficialmente na tarde deste domingo, 13 de dezembro, com abertura da Porta Santa na Catedral Nossa Senhora do Desterro, em Jundiaí. O Bispo Diocesano, Dom Vicente Costa, presidiu a celebração, acompanhada por padres, diáconos, religiosas(os), seminaristas e centenas de fiéis vindos das 11 cidades do território diocesano.

A cerimônia começou no Santuário Eucarístico Diocesano – Igreja Nossa Senhora do Rosário e São Benedito, de onde os fiéis saíram em procissão em direção à Catedral, no centro da cidade.

Na homilia, Dom Vicente convidou os fiéis a alegrarem-se e a experimentar a alegria que nasce da certeza de Deus nas nossas vidas. ” O Jubileu da Misericórdia é tempo de viver a bondade e o perdão”.

A assembleia rezou para que os cristãos sejam miseriordiosos, assim como o Pai é misericordioso.

Antes da bênção final, o Bispo Diocesano assinou o Decreto que institui o Ano da Misericórdia da Diocese de Jundiaí e estabelece os critérios para que os fiéis alcancem as indulgências plenárias.

“Durante o Ano Santo todos os fiéis são convidados a fazer a peregrinação para chegar e passar pela Porta Santa como sinal de que a misericórdia divina é uma meta a alcançar e que exige empenho e sacrifício. Passando pela Porta Santa, o(a) peregrino(a) é convidado(a) a assumir uma nova dimensão misericordiosa na sua vida”, disse Dom Vicente.

Para receber a indulgência, o fiel precisa cumprir algumas regras como: arrependimento sincero dos pecados, confissão, comunhão, oração pelas intenções do Sumo Pontífice, visita a uma das igrejas denominadas Portas Santas e recitação do Credo. Além disto, conforme convocação do Santo Padre na Bula Misericordiae Vultus (Rosto da Misericórdia), o Ano da Misericórdia será um tempo para se retomar as obras de misericórdia corporal e espiritual, a saber:

Obras de misericórdia corporal: dar de comer aos famintos, dar de beber aos sedentos, vestir os nus, acolher os peregrinos, dar assistência aos enfermos, visitar os presos, enterrar os mortos.

Obras de misericórdia espiritual: aconselhar os indecisos, ensinar os ignorantes, admoestar os pecadores (corrigir os que erram), consolar os aflitos, perdoar as ofensas, suportar com paciência as fraquezas do próximo, rezar a Deus pelos vivos e defuntos.

A Catedral Nossa Senhora do Desterro é uma das três Portas Santas abertas na Diocese de Jundiaí. As outras são: o Santuário Senhor Bom Jesus, em Pirapora do Bom Jesus, que será aberta na Festa da Sagrada Família, em 27 de dezembro, às 11h; e o Santuário Nacional Sagrado Coração de Jesus, em Itu, onde Dom Vicente fará abertura no dia 6 de janeiro, às 19h30, mesmo dia em que a Diocese de Jundiaí comemora 49 anos de sua Instalação Canônica.

O Ano da Misericórdia foi convocado pelo Papa Francisco em 11 abril de 2015, iniciou em 8 de dezembro, na solenidade da Imaculada Conceição de Maria e termina em 20 de novembro de 2016, na Festa de Cristo Rei.

Fonte: dj.org.br