Não à Intolerância Religiosa

12049488_886852378065906_7133025329314530283_nAmados devotos da Mãe Aparecida, alegria e paz!

Vivemos as alegrias dos primeiros dias do mês Janeiro do ano de 2017. Um fato que muito deixou transtornado o povo brasileiro foi a atitude que uma “pastora evangélica” teve de pegar uma Imagem de Nossa Senhora Aparecida e quebrá-la a marretadas.

Essa atitude demonstra que sempre mais as pessoas não compreendem qual é o sentido da imagem, não só para os católicos, mas para todos aqueles que, a partir do sinal visível, se permitem recordar o que o símbolo é capaz de manifestar aos que dele se aproximam.

A atitude grotesca da “pastora”, não deve nos calar. Ao contrário, precisamos sempre mais dizer: não à intolerância religiosa.

Não podemos generalizar dizendo que todos os nossos irmãos evangélicos são intolerantes. Seríamos injustos, pois sabemos que ainda podemos encontrar em muitas igrejas pessoas que são comprometidas com a causa do Evangelho.

A nossa Igreja não foi fundada ontem. Ao contrário, podemos fundamentar bíblica e teologicamente a fundação da Igreja: “tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja” (Mt 16,18).

É o próprio Jesus que confia a Pedro a missão de conduzir a Igreja. Fundada não somente por mãos humanas, mas por Jesus, é presente no mundo inteiro e tem uma finalidade: aproximar sempre mais as pessoas de Deus e, ao mesmo tempo, congregar a todos na fé e na unidade.

Ao longo da história da Igreja muitas dificuldades apareceram. Entretanto, apesar das dificuldades traduzidas principalmente nas divisões, não dá a ninguém o direito de brincar com a fé dos outros.

Mais uma vez: a atitude da “pastora” que transtornou não só os fiéis da Arquidiocese de Botucatu, interior do Estado de São Paulo, mas do povo brasileiro deve ser sempre repudiada.

Pelo Batismo somos promotores da Paz. Por esse motivo único, conclamo a todos os devotos da Mãe Aparecida a rezarem, e que esta oração possa se traduzir neste pedido: “perdão Senhor pela dureza do coração desta irmã que não soube nos respeitar; perdão Senhor pela atitude impensada de um ser humano que não foi capaz de pensar no outro, e pensou em si mesmo, indignando não só os católicos, mas a todo homem e mulher de boa vontade”.

Que neste Ano Nacional Mariano possamos rezar mais. Recorramos à Senhora Aparecida e tenhamos a certeza de que Ela continuará a interceder por nós.

No Espírito de Jesus,