“Ouvi a tua oração e vi as tuas lágrimas. Eu te curo (2Rs 20,5).

Amados devotos da Mãe Aparecida, alegria e paz!

Na última semana, vivemos as alegrias do 4º Cerco de Jericó do Santuário. Neste momento de espiritualidade, podemos perceber as maravilhas que Deus realizou na vida de cada devoto da Senhora Aparecida.

Quando se fala em Cerco de Jericó, muitos se questionam da validade, ou até mesmo, da eficácia que essa prática de oração possa ter na vida dos fiéis. É um fato que, infelizmente, muitos católicos venham à Igreja em busca de respostas para os seus questionamentos – ou, por que não dizer que venham à Igreja em busca de curas e milagres?

Para esses questionamentos temos uma resposta: a experiência de encontro com Jesus é o ponto de partida de qualquer momento de espiritualidade que a Igreja queira por meio de seus pastores oferecer aos cristãos leigos.

No mundo onde os valores se esvaiam cada vez mais por causa da cultura do imediato, acredito que somos chamados a sempre propor aos que desejam viver uma intimidade com o Senhor caminhos para a vivência de encontro com Ele.

Quis a providência de Deus que esse encontro, chamado de Cerco de Jericó, acontecesse justamente na semana de oração pela unidade dos cristãos. Creio que o maior desafio não seja de rezar tão somente pelos que acreditam no Cristo, a partir da vivência de uma profissão de fé adversa da fé católica. É preciso mais: ao rezar pela unidade dos cristãos de outras denominações, devemos rezar também pela unidade interna da Igreja.

Infelizmente o que temos visto é uma Igreja desunida. Pastores que não são atentos às dores das ovelhas; pastores que se preocupam sempre mais com os seus interesses pessoais, permitindo assim que as suas fraquezas atinjam ainda mais as fraquezas das ovelhas.

Aqui vale lembrar que também nos deparamos com as inúmeras ovelhas que não escutam a voz do Pastor, a voz do Cristo, anunciado por tantos ministros ordenados que abdicam de suas vontades para fazer a vontade de Deus.

Seja o cerco de Jericó, seja uma semana de oração pela unidade dos cristãos, seja uma oração do terço – e por que não elencar aqui o terço dos homens? – o importante é saber que o centro de tudo é o Cristo.

Por Ele, para Ele e n’Ele que naquela semana paramos as nossas atividades todas as noites para viver e celebrar a certeza de que Ele: “Ouve a nossa oração e vê as nossas lágrimas. Ele nos cura” (cf. 2Rs 20,5).

Ele nos ouve… Ele enxuga as nossas lágrimas… Ele nos cura. E para que? Para corrigir-nos, para educar-nos na fé, para que possamos caminhar unidos a Ele, na fraternidade, na sinceridade, na fidelidade sem perder de vista uma meta: o Reino dos Céus.

No Espírito de Jesus,

Pe. Márcio Felipe

Reitor do Santuário